2 de junho de 2020

Sobre a normopatia

     Félix Elvas Pequeno

             A normopatia é um termo que demonstra que não há nada mais anormal do que uma obsessão por ser normal, por ser exatamente como os demais.
            Não somos moldes. Não somos obrigados a ser como os demais, a nos misturarmos na multidão como um torrão de açúcar se dissolve em uma xícara de café. Nossa individualidade nos faz únicos e valiosos. No entanto, nos dias de hoje estamos sendo muitas vezes testemunhas – ou até mesmo vítimas – de uma normopatia muito marcada. Ou seja, uma necessidade quase obsessiva de ser como o resto, fazendo com que frequentemente nos tornemos objetos dentro de uma sociedade claramente material.
            Poderíamos dizer que esse fenômeno não é novo. E claramente não é. No entanto, escritores e psicanalistas, entre eles Christopher Bollas, afirmam que o impacto da tecnologia está mudando o nosso pensamento, e inclusive a nossa personalidade. O que vemos na tela do nosso celular ou de um computador, por exemplo, tem um impacto imenso e avassalador em quem somos. Em seu último trabalho, Bollas, uma referência dentro da teoria psicanalítica moderna, busca nos advertir de um aspecto muito específico. 
            Ao nosso redor habitam um grande número de normopatas. São pessoas que não aprofundaram em nada a sua própria identidade, que não trabalharam nem um pouco em direção ao autoconhecimento e que vivem somente com um objetivo: conseguir validação social. Essa meta envolve também deixar de lado a própria individualidade e tentar se encaixar, à força, no que os outros entendem como normal. Ou seja, ocorre a tentativa de imitar quase obsessivamente o que as outras pessoas fazem, dizem ou pensam dentro dos seus grupos e das redes sociais, do whatsapp ou de um círculo determinado, frequentemente fechado, de amigos ou de uma comunidade. Se fazem isso, essas pessoas obtêm um pouco de equilíbrio e tranquilidade psicológica. 
              Sair da norma, não poder se encaixar nesse molde inventado e impossível, traz para quem sofre de normopatia inevitavelmente um grande sofrimento. Além disso, em todo normopata habita também um sentimento perpétuo de melancolia, de vazio existencial. É a marca evidente de uma mente que não se atreveu a cortar o cordão umbilical, que não conseguiu desenvolver sua valiosa personalidade de maneira individual.

"A normopatia é o impulso anormal por uma suposta normalidade.”-Christopher Bollas-

Resumo feito por Félix Elvas Pequeno Psicologo e Psicanalista
www.felixpequeno.com.br

Nenhum comentário:

Postar um comentário