10 de novembro de 2019

Sobre falar de mulher

         
Félix Elvas Pequeno

            Saber o que quer uma mulher, é uma pergunta que nem Freud conseguiu responder. “Nunca fui capaz de responder à grande pergunta: o que uma mulher quer?” (Sigmund Freud). Não vou me atraver à responder a essa pergunta, mas vou tentar escrever sobre falar de mulher. As mulheres lutaram, durante muitos anos, por direitos iguais aos dos homens e enfrentaram os preconceitos sofridos. Hoje, depois de tantas conquistas femininas, mais do que nunca é enfatizada a independência feminina diante de seus múltiplos papéis na sociedade. Apesar dessa batalha por igualdade, homem e mulher, definitivamente, nunca serão iguais.
            Penso que falar de mulher implica falar de maternidade, cuidado, afeto. Nos remetemos à imagem da sensibilidade, da coragem, da vaidade, da intuição. A mulher não é mais aquele sexo frágil de antigamente, conquistou seu espaço na sociedade. As vezes fraca, as vezes forte, ora dependente ora independente. São diversas as facetas assumidas pela mulher, fazendo com que o seu desejo seja encarado como um enigma.O lugar da mulher é onde ela deseja estar, não é onde querem que ela esteja! Se percorrermos o caminho da arte- poesias, música, pintura, por exemplo-, perceberemos como todos tentam desvendar esse o obscuro inconsciente da mulher, mas não conseguem!!
            Quando falamos em mulher, não podemos negar sua magnitude: é a única que pode conceber a vida e aquela que, na maioria das vezes, exerce a função materna, função primordial para a teoria psicanalítica. A criança tem de ser cuidada, investida e desejada. Esse papel, na maioria das vezes é exercido pela mãe; é ela quem traduz os afetos e emoções vividos pelo bebê e torna-se uma espécie de mediadora entre ele e o mundo externo, possibilitando que a criança inicie um processo de reconhecimento enquanto pessoa. É claro que ser mulher não implica necessariamente em exercer a função materna, assim como o ato de cuidar pode ser realizado por outro sujeito. Se não houver desejo de ser mãe, o valor da mulher não será menor por esse motivo.
           Enfim, mesmo que continue assumindo tantas posições na sociedade, nos parece inesgotável a tarefa de desvendar o que realmente quer uma mulher.Talvez ela queira que parem de perguntar: "o que quer uma mulher?" Porque só ela sabe e ponto final!!

(Félix Elvas Pequeno é Psicólogo e Psicanalista). Abraços afetuosos as mulheres, as quais respeito e amo profundamente, assim como amei minha mãe, que já partiu, há 2 anos, do passeio que fez aqui na terra e agora deve estar passeando por aqui e por ali...

Nenhum comentário:

Postar um comentário