6 de junho de 2019

A depressão, também é um sintoma de uma sociedade doente( perversa)


Félix Elvas Pequeno

         A moral social contemporânea no dia a dia, perversamente, cobra das pessoas a alegria, a euforia e a felicidade constante, como? Nas capas de revistas; nas redes sociais; na mídia; no sucesso profissional; num corpo perfeito; na viagem a um lugar paradisíaco; na casa dos sonhos; no status; na riqueza, entre outras... Tais experiências são “vendidas” como verdadeiros caminhos para a felicidade, algo que só dependeria de você. Mas esse tipo de discurso acaba sendo uma grande armadilha: “Se ser feliz só depende de mim, e eu não sou, logo eu falhei.” E muitas pessoas não conseguem, se deprimem. 
                Há uma dívida generalizada, das pessoas contemporâneas, de estar em sintonia com essa euforia, que lhe é exigida por essa sociedade perversa! Então elas, quando sofrem, não apenas daquilo que a fazem sofrer- uma perda amorosa, uma morte na família, o desemprego, entre outros sofrimentos psíquicos; mas ainda mais, de culpa por não conseguirem a felicidade constante que essa sociedade lhe cobra! Deprimidas, as pessoas vão há um médico (psiquiatra ou não), que prescreve remédios antidepressivos que ajudam, mas atuam nos sintomas e não nas causas.
              Que “remédios” devem ser prescritos para as causas de uma sociedade doente? Construir sua singularidade, se reiventar e não aceitar as cobranças de alegria, de euforia e de felicidade constante, que são feitas por essa sociedade perversa, doente... (Félix Elvas Pequeno é Psicólogo e Psicanalista). Abraços!

Nenhum comentário:

Postar um comentário