31 de maio de 2019

Existe autossabotagem?



Félix Elvas Pequeno

No vídeo acima C. Dunker (psicólogo - professor Dr. na USP e psicanalista ) fala sobre autossabotagem, que,  inconscientemente, é muito presente no nosso dia a dia. Vale a pena assistir e caso deseje, compartilhe. Abraços...

28 de maio de 2019

O que é ser psicanalista?

            Félix Elvas Pequeno 

              Ser psicanalista requer muitas renúncias, principalmente, da onipotência. É fundamental que tenha humildade de reconhecer a sua ignorância diante do paciente e acolhe-lo com “capacidade negativa”. O poeta Keatz diz: ... é uma capacidade que possibilita a um homem ser capaz de permanecer em incertezas, mistérios, dúvidas, sem qualquer esforço irritável que vise alcançar como resultado, fato ou razão.”
             Ninguém nasce psicanalista e não se vira psicanalista de repente, mesmo que a pessoa seja talentosa ou bem dotada. Muitos querem e poucos são os que conseguem. Há “analistas”, que são inclusive formados em Sociedades de Psicanálise, mas emocionalmente estão regredidos. Nos seus consultórios, manipulam os pacientes como se fossem marionetes, conduzem as sessões, direcionando- os para realizarem os seus desejos e não os desejos dos pacientes. Tais “analistas”, assumem uma postura sedutora e moralista. Enfiam teorias nas mentes dos pacientes e dirigem suas idéias, fugindo da regra fundamental da Psicanálise: deixar o paciente associar livremente suas idéias... Muitas vezes, o “analista" fica no “como se” e a relação vira uma folia a dois.
          Muitos desses “analistas são espertos e com “pitadas” de psicopatia!! Conforme diz o psicanalista Antônio Muniz de Rezende, em seu livro “Bion e o futuro da Psicanálise”... “O analista virtuoso e bem- dotado sente uma necessidade de fazer sua re-análise. E se não sentir, acaba se tornando inseguro no sentido forte da palavra. Ele está confiante demais em si mesmo, sabe demais, está protegido demais”. Bion fala que muitas vezes chamamos de análise coisas que não são.
              Penso que ser psicanalista, é ser ético, humilde e verdadeiro. “...tal como um corpo necessita de alimentos e oxigênio, também o psiquismo se alimenta e cresce com a verdade e que, sem essa, cai em estado de inanição e pode ficar corroído pelo veneno das mentiras...” ( David Zimerman- Bion –Teoria e Técnica). (Félix Elvas Pequeno é psicólogo e psicanalista). Abraços...

22 de maio de 2019

Porque a Psicanálise

  Félix Elvas Pequeno             

          Porque falar transforma uma pessoa. Simples assim. E por que isso acontece? Porque a fala, a linguagem e a maneira de se expressar estão ligadas ao afeto. A psicanálise funciona porque sentimos e falamos. E, se fazemos isso a partir de uma posição apropriada, não tem como não ter uma transformação e caminhar numa direção que te leve a sofrer menos com o que você mesmo causa a você. 
                Quando chega um paciente na análise, normalmente é alguém que já está desconfiado que aquilo que ele sofre tem a ver com ele mesmo. E existe essa vontade de saber o que é isso. Pode ser que a gente venha a viver melhor? Sim, e não digo isso de maneira ingênua, mas acho que existe essa possibilidade, mesmo com a nossa cultura não favorecendo isso por si só. O interesse em assuntos do universo da psicanálise é cada vez maior. E há uma razão clara para isso. O ser humano, diz, está mais aberto a se descobrir e enfrentar seus sofrimentos. As pessoas fazem análise e não acham que são loucas por causa disso. Isso é uma revolução.
                 A psicanálise dá espaço para que os pacientes possam… falar. A psicanálise é uma ferramenta gigantesca, uma lupa. É como se a gente descobrisse uma espécie de microscópio da alma. Para mim, isso é pedagógico. Difícil, mas, ao mesmo tempo maravilhoso! (Síntese feita por Félix Elvas Pequeno- Psicólogo e Psicanalista, de uma entrevista que a Psicóloga e Psicanalista- Professora Dra. na USP e na FAAP Maria Lucia Homem, concedeu a Folha de São Paulo).Abraços!


12 de maio de 2019

Sobre a ditadura da magreza

   Félix Elvas Pequeno             

               Vivemos em uma sociedade doente, em que os padrões de beleza são muito definidos, especialmente para as mulheres. Se você não for magra, sem rugas e com aparência de atriz de cinema, raramente sentir-se-á incluída em determinados grupos sociais e especialmente na mídia, que muitas vezes insiste em ignorar a grande variedade de beleza que existe no mundo, priorizando apenas a convencional. 
                  Essa grande diferenciação que existe entre as mulheres pode ser muito cruel, e é a causa de condições como depressão, ansiedade, bulimia, anorexia e muitas outras. Muitas mulheres tentam se encaixar nos padrões, seja para conseguir aceitação, um bom trabalho ou até mesmo um relacionamento, e nessa busca se perdem de si mesmas, esquecendo-se de que o seu valor vai muito além de aparência, está na alma, nos valores e na maneira como escolhem viver suas vidas.
                   Beleza não tem nada a ver com os padrões que nos são impostos, mas sim com essência, amor e respeito. Penso, que as mulheres devem se amar e ser felizes do jeito que são, sem a ditadura da magreza. Mulheres, vocês são lindas e brilham exatamente como são...(Texto de Félix Elvas Pequeno-Psicólogo e Psicanalista, inspirado no artigo de Luiza Fletcher). Abraços...

11 de maio de 2019

COMO UMA ONDA

             
            Felix Elvas Pequeno

Nada do que foi será. De novo do jeito que já foi um dia.
Lulu Santos

Como Uma Onda

Nada do que foi será
De novo do jeito que já foi um dia
Tudo passa
Tudo sempre passará

A vida vem em ondas
Como um mar
Num indo e vindo infinito

Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente
Viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo
No mundo

Não adianta fugir
Nem mentir
Pra si mesmo agora
Há tanta vida lá fora
Aqui dentro sempre
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar

Nada do que foi será
De novo do jeito
Que já foi um dia
Tudo passa
Tudo sempre passará

A vida vem em ondas
Como um mar
Num indo e vindo infinito

Tudo que se vê não é
Igual ao que a gente
Viu há um segundo
Tudo muda o tempo todo
No mundo

Não adianta fugir
Nem mentir pra si mesmo agora
Há tanta vida lá fora
Aqui dentro sempre

Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar
Como uma onda no mar

            A música de Lulu Santos continua viva e atual.

            A vida vem em ondas, e em muitas outras ondas como o mar... É como ciclos e cada ciclo,tem seu valor, seus ensinamentos e seus encantos. Do que adianta ficar dando voltas, achando que uma fase de sua vida vai voltar, achando que aquela pessoa vai voltar? É uma canoa furada, viver no presente mas sentindo falta do passado. O que há de vir, virá a seu tempo e na sua hora!
             Não perca o seu precioso tempo do presente, remexendo no passado e antecipando o seu futuro. É "caminhando e cantando" que a vida segue... E amor também! Às vezes se ganha e às vezes se perde! Por isso, aprenda a conviver com as perdas e com os ganhos. M Rasgue os papéis velhos, viaje, faça novos amigos, jogue fora os presentes desbotados, dê suas roupas e seus livros que não usa mais…Você já não é mais a mesma pessoa de ontem, não é? Veja quantas transformações você fez na sua mente. Veja como você ficou experiente e responsável! Vire a página, mude o disco!
              Encerre o ciclo! Você não precisa ser sempre a mesma pessoa. Porque a vida esta sempre em movimento, como as ondas do mar... É fundamental lembrar sempre que nada, nem ninguém é indispensável. Mas você é indispensável e imprescindível.Então merece viver uma bela vida. Escute a música abaixo e pense, pensar é fazer transformações dentro da cabeça e fora dela...(Félix Elvas Pequeno é Psicólogo e Psicanalista). Abraços..



2 de maio de 2019

SOBRE A PERDA DE IDENTIDADE

             Félix Elvas Pequeno         

 O Tolo na Cidade Grande

“Um tolo chegou a uma cidade muito grande e ficou confuso com o grande número de pessoas na rua. Com medo que adormecesse e despertasse novamente, não encontraria a si mesmo no meio de tanta gente, amarrou uma cuia na perna para se identificar. Um brincalhão, sabendo o que o tolo tinha feito,esperou que ele adormecesse, removeu a cuia e a amarrou na sua própria perna. Depois, também se deitou no chão ao lado do tolo e adormeceu. O tolo despertou primeiro e viu a cuia. A princípio, pensou que esse outro homem deitado ao seu lado devia ser ele. Depois, atacou-o gritando: “Se você é eu, então quem, pelo amor de Deus.... quem sou eu e onde estou?" (história de um mestre Dervixe.)
                 Na história acima, o tolo pode ser o nome dado ao homem que perdeu sua identidade, portanto não mais se reconhecia, ficou confuso e não sabia quem era. Penso que sem identidade não se é. Você tem que ser, isso é que é importante. Ter identidade, é fundamental para se diferenciar do outro e você construir sua própria singularidade. Na contemporaneidade, muitas pessoas buscam sua identidade não naquilo que são, mas no que consomem e exibem. Quando você descobre a sua identidade, logo aparece em si sua verdadeira face... (Félix Elvas Pequeno é Psicólogo e psicanalista). Abraços!

“Não precisas que ninguém te diga quem tu és ou o que és. Tu és aquilo que és.” (John Lennon)