25 de dezembro de 2018

Sobre a Psicanálise da atualidade

                  Félix Elvas Pequeno

        Elisabeth Roudinesco: Com relação à psicanálise, no passado, ela foi adotada pelos psiquiatras e psicólogos, mas hoje a psiquiatria se tornou puramente biológica, os psiquiatras são eficazes em receitar remédios. Atualmente, a psicanálise é adotada mais pelos psicólogos. Já no Brasil, em todos os cursos de psicologia, a psicanálise faz parte dos seus currículos. Existe outra razão: acho que os brasileiros são muito mais ecléticos. Ou seja, eles compreenderam que, hoje em dia, as pessoas não querem mais fazer análises longas e sim breves. Por isso, se adaptaram a essa nova demanda dos pacientes. 
       
           É preciso que os psicanalistas se adaptem ao sujeito moderno e eles estão fazendo isso com psicanálises breves, por exemplo. Eles têm razão, porque as análises clássicas são muito longas. As pessoas querem menos silêncio na relação com o analista, os analistas precisam ser mais ativos!     

        Não há razão para reduzir a psicanálise a só analisar o inconsciente, mas também aos conflitos externos que a pessoa tem nos seus laços sociais e familiares: O sujeito moderno não quer mais a mesma coisa que antes, ele quer mais empatia, rapidez e é preciso atender estas demandas, mas do ponto de vista da psicanálise, não do ponto de vista da Terapia Comportamental.
       
          A psicanálise deverá conservar integralmente o seu lugar, ao lado das outras ciências, para lutar contra as pretensões obscurantistas que almejam reduzir o pensamento a um neurônio ou confundir o desejo com uma secreção química.


(Síntese com acréscimos feitos por Félix Elvas Pequeno- Psicólogo e Psicanalista, da entrevista que a psicanalista francesa Elisabeth Roudinesco concedeu ao jornal digital Nexo, em São Paulo, quando esteve no Brasil em !5/09/2016 para lançamento do livro de sua autoria: "Sigmund Freud na sua época e em nosso tempo" (editora Zahar). Abraços!


Nenhum comentário:

Postar um comentário