16 de fevereiro de 2018

Sobre o 'dedo podre'

   
               
               
                    Félix Elvas Pequeno             

                       
                "Dedo podre”, a inclinação que têm algumas pessoas, homens e mulheres, de escolher sempre o parceiro errado. Há muitas pessoas assim. Elas não têm sexo, idade ou tipo físico determinado. Nem o temperamento delas é parecido. Em comum, têm apenas essa terrível tendencia a se ligar emocionalmente a gente inviável – que, por uma razão ou por outra, é incapaz de manter com elas o tipo de relação que elas gostariam de ter. Não se trata de azar! Se o primeiro namorado da Fulana era um malandro mentiroso, o segundo um psicopata ciumento e o terceiro ainda está apaixonado pela ex-mulher, não dá para culpar a falta de sorte. Fulana, claramente, não consegue escolher porque gosta de sofrer! Continua sendo uma coitadinha, mas a responsabilidade é dela, não do destino! “O psicanalista declara: -“O sujeito goza em seu sofrimento”.
                  O povo traduz: - “As pessoas gostam de sofrer”. Todo mundo sabe disso, usa a expressão com frequência, mas acha que é brincadeira por não ser possível, em sã consciência, alguém gostar de sofrer. E, no entanto, isso é muito comum.”
                 Vou relatar um trecho de uma consulta inicial com uma paciente de um colega psicanalista. A paciente foi solicitada a contar a história de seus relacionamentos amorosos, com cara de desalento, explicou que estava no seu segundo namoro e que tinha se separado do primeiro, pelo fato do anterior ser um "traste" maior ainda e que suas migas diziam que ela tinha o "dedo podre". A repetição da nomeação "traste" levou o colega à pergunta se o seu problema não seria “trastite”, ou seja, a escolha repetitiva de "trastes' como objetos amorosos. Ela abriu um sorriso radioso de confirmação do sintoma e vontade de falar a respeito. Seu tratamento começou assim, bem distante do sofrimento padronizável. Por trás do "dedo podre", mulheres e homens, inconscientemente, gozam com seu sofrimento. São pessoas masoquistas, pois tem o prazer de sofrer! Não aprendem pela experiência, pois tem uma compulsão à repetição!Tem cura? Tem! Como? Fazer análise!!( Félix,04/02/2018). Abraços!


Nenhum comentário:

Postar um comentário