15 de novembro de 2015

Epidemia da Depressão

Félix Elvas Pequeno

Ultimamente venho estudando, lendo trabalhos científicos e livros sobre a psicanálise do Século XXI. Recentemente li o livro "Inconsciente e Responsabilidade" (Prêmio Jabuti de 2013), do psicanalista e psiquiatra Jorge Forbes. Recomendo-o aos curiosos. Também tenho lido seus textos que estão disponíveis em seu site. Estou postando o texto que se segue abaixo, onde Forbes mostra sua singularidade e de fazê-la passar aos leitores. "A singularidade é um trabalho de ousadia, de invenção, um trabalho de fazer passar isso ao mundo, e de que o mundo também possa ser visto por essa singularidade."
Ao meu ver, o psicanalista de hoje precisa conduzir o paciente a descobrir sua singularidade de ser responsável pelo que faz e pelo que é, não culpando sua depressão como se não tivesse nada a ver com isso.

Está todo mundo deprimido (Jorge Forbes)

Ser feliz dá um trabalho danado. Chega até a assustar, mas não mata, não

Está todo mundo deprimido, a felicidade foi embora.

Se em uma reunião pudéssemos fazer  raios-X das bolsas e dos bolsos, encontraríamos, entre os gêneros de primeira portabilidade, comprimidos de antidepressivos. O que antes tinha emprego discreto, hoje virou conversa de salão. Discute-se qual medicamento cada um toma, como reagiu, há quanto tempo, se o genérico substitui bem o oficial e por aí vai. E se a fala corre solta, sem o comedimento anterior, é porque uma forte propaganda convenceu muita gente de que a depressão é uma doença como outra qualquer, como quebrar o braço em um acidente ou contrair malária. Essa propaganda de fortes coloridos interesseiros da indústria farmacêutica, associada a uma medicina que se orgulha em ser baseada em evidências – aquela em que o médico não dá um passo sem pedir um monte de exames – veiculou a ideia de que você não tem nada a ver com a sua depressão, que os sentimentos são cientificamente mensuráveis e, em decorrência, controláveis.

Se alguém já viu um interrogatório desses que querem medir o estado depressivo – com algumas nobres exceções - verá que é difícil escapar de ser tachado de doente, quando perguntas como essas lhe são dirigidas, simultaneamente: -“Você tem dormido pouco, ultimamente?”, ou: -“Você tem dormido muito, ultimamente?”. 

Por que essa euforia da depressão? Será mesmo, como muitos respondem, por uma desregulação dos níveis do neurotransmissor serotonina? A serotonina ficou até popular, todo mundo fala dela como do colesterol. Ela é íntima. Agora, por que a serotonina ficou alterada de repente em tanta gente? Alguma epidemia viral de vírus anti-serotonina ou coisa que o valha? Não parece.

Prefiro pensar que se há muita depressão é porque sofremos uma revolução dos parâmetros que atuam na formação da identidade. Na saída da sociedade moderna para a pós-moderna, não temos mais termômetros de certo e errado que serviam para as pessoas se orientarem se estavam bem ou mal. Com o fim desse maniqueísmo, nossos tempos exigem maior responsabilidade individual no seu bem estar. Aí, muitos fraquejam. Dou um exemplo simples: uma pessoa cruza com um conhecido na rua e o cumprimenta. O outro não responde e segue seu caminho. Qual a primeira pergunta que vem na cabeça de quem fez o cumprimento? O que vem é: -“O que foi que eu fiz?”, no sentido de uma bobagem que ele teria cometido motivo da falta de resposta ao cumprimento. Quando a identidade, como nesse caso, titubeia, ela se regenera, paradoxalmente, na auto-depreciação. Daí para se sentir deprimido é um pequeno passo. E, para complementar a receita, como estamos na época da medicalização da vida, na qual se acredita que para tudo tem remédio, pronto, tasca antidepressivo nele.

Triste tempo esse, realmente, em que tentam dessubjetivar a responsabilidade pessoal frente aos sentimentos. Mas não vai funcionar, como nunca funcionou na história da humanidade quando já tentaram amordaçar o desejo humano.

Ser feliz dá um trabalho danado, chega até a assustar, mas não mata não.


Texto publicado originalmente na revista Gente IstoÉ – setembro 2013

“ID” (das Es) - poema em versos soltos e desconexos.*

Félix F. Elvas Pequeno

Pedaço de mim caótico.
Vulcão cheio de excitação.
Estás repleto de tesão.
És desorganizado, emocional e danado.
Fostes me dado pelos meus pais,
E fixado na minha constituição.

Teu brilho é incandescente,
Me deixas fogoso.
És primitivo,
Uma criança mimada,
Toda endiabrada.
Ingênua, atrevida e sem juízo.

Não sabes nem o que é bom,
Nem o que é mau.
Obedeces somente ao princípio do prazer.
Não temes, como o “ego”
És minha parte animal,
És tudo o que meu ego não é.

Tens vontade própria,
És individual.
Foges da minha razão,
Só obedeces ao meu coração.
Basta um gesto brusco teu,
Pronto! perco a cabeça.
Te bebo e me embriago em ti.
És um substrato da minha pulsão.

Me fazes ter paixões,
E cometo traições...
Rompo com o convencional,
Com os mandamentos de Deus,
Deixo de ser anjo,
Peco,
E viro demônio.

Me tornas fogoso,
Brincas com meu corpo,
E quem vem brincar comigo
Corre o risco de se queimar.

De repente, te recalco.
Voltas lá para o fundo da mente.
Deixo de delirar,
Fico encaixotado
E demente.

Mas és paciencioso, esperas...
E foges clandestinamente,
E com disfarces,
“Re-apareces”:
Nos meus sonhos,
Nos meus sintomas,
Nos meus lapsos,
E nos meus atos falhos.

És obscuro,
Obsceno.
Me invades a qualquer instante.
Brotas lá do inconsciente,
E como um potro selvagem,
Rompes a porteira da consciência.

Quando escrevo,
Vens no meu primeiro rascunho,
Te rabisco,
Te maltrato,
Te jogo no lixo.

Ficas um menino obediente,
Te recolhes humildemente,
E ficas esperando,
Um novo momento...

Hoje vieste,
Te acolhi,
E não te reprimi;
Te lapidei,
E te transformei
Neste ato de criação.
Vives um indo e vindo
Infinito...

Ficas à mercê,
De quem bom uso faz de ti:
Os poetas,
Os compositores,
Os pintores,
Escultores,
Enfim,
De quem for criador...
De quem aproveitar tua energia
Para fazer de ti
Belas “transformações”...