7 de março de 2020

Sobre Ressignificar-se

   Félix Elvas Pequeno

         Ressgnificar-se é lançar um novo olhar, mantendo a nossa singularidade, sobre situações já conhecidas e mudar o percurso dos acontecimentos. Ressignificar-se é ir se reinventando e através da nossa criatividade, fazer belas transformações no nosso jeito de pensar e dar um novo sentido a vida. Se não nos ressignficarmos, permaneceremos numa vida repetitiva e tediosa.
Pensar e mudar dói! Ressignificar é abrir os olhos da alma para as mudanças que se aparentam na vida. Ressignificar é entender que novo sempre chega e não pede licença!
          A psicanálise pode ser uma importante aliada para a ressignificação e aumento da capacidade para encontrar novos percursos, tendo em vista que ela possibilita o autoconhecimento necessário neste processo.
(Félix Elvas Pequeno e psicólogo e Psicanalista). Abraços...

www.felixpequeno.com.br

22 de fevereiro de 2020

Sobre cursos de Psicanálise

          Félix Elvas Pequeno

          Ultimamente há um mar de cursos de Psicanálise em cada esquina, existem até cursos online. Não caia nessa!! Para ser Psicanalista com uma formação sólida, é fundamental ter feito o seguinte tripé:
          - Análise pessoal de muitos anos,com um analista didata.
          - Supervisão de casos clínicos por muitos anos, também com um analista didata.
          - Formação em Psicanálise de pelo menos 4 anos, em um curso de Psicanálise, onde seus professores e supervisores sejam psicanalistas reconhecidos nos círculos de Psicanálise.
            Há cursos de psicanálise filiados a IPA ou independentes dela, como o Instituto Sedes Sapientiae, Cpcamp (fundado pelos Psicanalistas da SBPSP e do Sedes Sapientiai), entre outros de renome nacional ou internacional. W. Bion falava que " muitas vezes chamamos de análise coisas que não são". Como escrevi acima, há um mar de cursos de psicanalise duvidosos, mas quem desejar mergulhar neles é uma escolha pessoal!

( Félix Elvas Pequeno é Psicólogo e Psicanalista). Abraços...

16 de fevereiro de 2020

Onde fica o Inconsciente?

      Félix Elvas Pequeno

Onde fica o inconsciente? O inconsciente não fica nem no cérebro, nem em nenhum lugar escondido da mente, nem é metafísico! O lugar do inconsciente é na linguagem, quando estamos falando o inconsciente está acontecendo nos atos falhos (lapsos de linguagem, de memória, nas piadas sarcásticas, nos chistes, quando estamos brincando), quando contamos nossos sonhos.

(Félix Pequeno é Psicólogo e Psicanalista). Abraços...
www.felixpequeno.com.br

3 de fevereiro de 2020

Sobre a psicoterapia de base psicanalítica

     Félix Elvas Pequeno

          A psicoterapia tem hoje, seu uso difundido e conta com várias linhas de abordagens diferentes. As mais difundidas são as de base psicanalítica, que surgiram com trabalhos de Sigmund Freud na virada do século XIX para século XX, com vários seguidores como Melaine Klein, Bion, Lacan entre outras. A Psicoterapia Breve de base psicanalítica, através de métodos e técnicas psicanalíticas, visa atingir os problemas emocionais mais prementes que possam ser solucionados em curto prazo. Sua eficácia depende, sobretudo, da motivação do paciente e sua disposição em mudar seu mundo mental. Esta é a chave para se obter resultados positivos satisfatórios nesta abordagem.
           Apesar do termo “breve” remeter à ideia de tratamento de curta duração, esse tipo de psicoterapia possui outras características, entre elas, a do estabelecimento de um foco, ou seja, suas ações são voltadas para as queixas principais (motivos da procura), estando centrada na superação de sintomas e vivências atuais e para a solução de conflitos que se configuram como prioridades para o paciente. Outra característica é que por conta da emergência/urgência e/ou importância do problema focal há maior atividade do psicoterapeuta (intervenção mais ativa) exigindo dele a capacidade de associar o rigor da técnica ao referencial teórico.
           Trata-se de técnica, com características próprias e não simplesmente encurtamento do processo psicoterápico. Envolve o uso de técnicas focais, exigindo formação, experiência e competência por parte do psicoterapeuta. O paciente revive situações traumáticas do passado, sentimentos reprimidos, conflitos, impasses e situações inacabadas agora experimentados na relação transferencial com o psicoterapeuta, num contexto de segurança, aceitação e ausência de censura. A partir desta interação o paciente pode chegar à reformulação, reparação ou superação de seus conflitos.
            Cabe ao psicoterapeuta o acompanhamento e avaliação da evolução do processo e, em caso de necessidade de aprofundamento, por opção do paciente em dar continuidade ao processo de autoconhecimento, podemos partir para investigar as a causas dos seus sintomas, agora, com a Psicanálise.

26 de janeiro de 2020

Os feitos da cocaína no cérebro


           Félix Elvas Pequeno

      A cocaína é uma das drogas mais consumidas e viciantes que existem. Longe da sensação de euforia e bem-estar que produz, tem também uma grande quantidade de efeitos nocivos para o cérebro. Trata-se de uma das drogas mais consumidas no mundo, e desde os anos 1980 ela vem causando um verdadeiro problema sanitário na área da toxicodependência.
      Essa substância, sintetizada a partir da planta da folha de coca, provoca uma sensação de euforia, energia e alerta mental em quem a consome. Também influencia reduzindo o apetite, assim como a necessidade de dormir. Além desses efeitos de curto prazo, o consumo de cocaína tem fortes consequências a longo prazo, como alterações emocionais ou comportamentais.
      Em geral, as pessoas que consomem cocaína apresentam um pior rendimento em provas de avaliação neuropsicológica. Esses efeitos foram observados, principalmente, em aspectos como atenção, memória, inibição de resposta e funções executivas. De forma mais específica, a cocaína afeta processos de atenção seletiva e contínua, memória de trabalho, memória visual e capacidade de aprendizagem.
      De fato, esses efeitos se tornam mais evidentes em períodos de abstinência. Em relação às funções executivas, os consumidores de cocaína apresentam mais falhas quando se trata de inibir respostas, mais impulsividade, e são menos hábeis na hora de tomar decisões. Além disso, verificou-se uma menor flexibilidade diante da mudança, pior capacidade para processar erros e lidar com as contingências. Em resumo, o consumo de cocaína, possivelmente uma das drogas mais viciantes, afeta o cérebro em muitos níveis. Além dos efeitos aqui descritos, também há uma grande quantidade de consequências emocionais, comportamentais e sociais que impactam a qualidade de vida da pessoa, além de destruir os neurônios do cérebro. ( Síntese feita por Félix Elvas Pequeno de pesquisas em literatura científica  sobre drogas). Abraços...

5 de janeiro de 2020

A cada momento, a cada instante...


         Félix Elvas Pequeno

      Guimarães Rosa escreveu Grande Sertão: Veredas em 1956. A obra, uma das mais importantes da literatura brasileira, é elogiada pela linguagem e pela originalidade de estilo presentes no relato de Riobaldo, ex-jagunço que relembra suas lutas, seus medos e o amor reprimido por Diadorim. Num determinado momento Riboaldo fala: “Cada hora, de cada dia, a gente aprende uma qualidade nova de medo.” 
      Interessante, por que ainda hoje ocorre algo semelhante: a cada momento, a cada instante, a cada notícia, nós temos um novo medo. Então, a angústia humana ela aumenta todo dia, toda hora, porque sempre tem uma ameaça, sempre tem um medo, sempre tem uma história que nos confunde... 

29 de dezembro de 2019

Da sociedade ajustada

         Félix Elvas Pequeno

    A nossa sociedade é louca? As evidências dizem que sim. Estar ajustado a essa sociedade é estar ajustado à sua loucura. Então, há um tipo de “saúde mental” que é uma manifestação de loucura. Mas aqueles que são lúcidos, que percebem a loucura da sociedade e sofrem com ela, desajustados, são os que verdadeiramente têm saúde mental. 
     A maioria das empresas, quando é que um funcionário tem saúde mental? Ele tem saúde mental quando os seus pensamentos e emoções não interferem no seu desempenho na empresa: não falta, produz, tem boas relações. A empresa usa para avaliar o seu funcionário os mesmos critérios de avaliação da “saúde” de uma peça de uma máquina. Peça boa é aquela que não exige reparos e funciona sempre. Para que isso aconteça é preciso que a peça esteja totalmente ajustada à “ideia” da máquina. 
     Assim, um funcionário com saúde mental é aquele cuja alma está ajustada à alma da empresa. Ajustamento produz contentamento. As pessoas ajustadas são indispensáveis para fazer as máquinas funcionar. Mas só as desajustadas pensam outros mundos. A criatividade vem do desajustamento!! .